.Diana

.Março 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
25
26
27
28
29
30
31

.pesquisar

 

.posts recentes

. Licenca Internacional de ...

. Cruzeiro Com a Host Famil...

. Voltei para ficar

. Sonho realizado #3

. Prendinha da Host Family

. Diferencas Culturais #2

. Nao vivo sem #2

. A minha nova casa

. Participacao no Blog S.O....

. Nao vivo sem #1

.arquivos

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Abril 2009

. Março 2009

.Visitantes

Visit http://www.ipligence.com

.Visitas ao Blog

Website Traffic Counters
Dell Coupon Codes
blogs SAPO

.subscrever feeds

Quarta-feira, 8 de Dezembro de 2010

Prendinha da Host Family

A família aqui resolveu oferecer-me um telemóvel novo porque o que eu tinha deixou de funcionar. A culpa foi minha porque mais do que uma vez deixei-o cair ate que da ultima vez que caiu ao chão nunca mais voltou a ligar. Contei o que tinha acontecido e disse que podiam tirar o dinheiro para comprar um novo do meu ordenado, mas eles disseram que nem pensar porque acidentes acontecem. Respirei de alivio porque não me estava nada apetecer desembolsar pelo menos  $100 para comprar um telemóvel novo.

 

O melhor e que  quando terminar o programa posso leva-lo comigo para Portugal:).

 

publicado por Diana às 10:05
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2010

Diferencas Culturais #2

Os homens daqui tem me surpreendido bastante.

 

Antes de vir, li em alguns blogs de au pairs brasileiras, que os homens são um pouco parados e que demoram uma eternidade ate que alguma coisa aconteça. Muitas delas mostravam-se um pouco desiludidas por no primeiro encontro eles não avançarem mais e chegavam a comparar com os homens brasileiros que nesses assuntos sao muito mais desinibidos.

 

Agora que a já aqui estou posso contar as experiencias que tenho tido.

 

A primeira vez que sai a noite fiquei pasmada com a forma que os homens e as mulheres dançam. A única definição para este tipo de dança e mesmo dança do acasalamento. Eles quase que tem sexo enquanto dançam e quando a musica termina vai cada um para o seu lado como se nada tivesse acontecido.

A forma de vestir principalmente das mulheres também e diferente. Aqui quanto menor for a saia mais rapidamente se passa na fila para entrar no club. Então as vezes vê-se cada menina que coitada, quase não consegue caber na mini-saia, mas la faz um sorriso, sustem a respiracao e consegue entrar triunfante.

 

Eles se tiverem interessados não perguntam o nome nem se apresentam vão logo agarrando. Quando damos por isso temos por trás de nos alguém se roçando e dançando feito doido. Eu e as minhas amigas daqui temos algumas formas de evita-los, por exemplo quando nos perguntam se moramos cá nos dizemos que esse e o nosso ultimo dia por aqui e que no dia seguinte vamos embora. Uma vez inventamos uma mentira que acabou por sair furada. Quando nos perguntavam qual o nosso pais diziamos que éramos da Estónia, eles ficavam um pouco desconfiados porque duas das minhas amigas são negras, mas lá se acreditavam. Mas uma vez não deu certo porque o homem que nos perguntou também era da Estónia e começou a falar em russo connosco. Bem, nos ficamos tão envergonhadas que saímos de la a correr.

 

Eu moro em Riverdale que faz arte do Bronx. Eu sei que a ideia que tem do Bronx e que apenas vive gente pobre, eu própria tinha essa ideia. Mas isso não e verdade.  O Bronx e enorme e tem imensas áreas ricas, Riverdale e uma delas. Tem policia privada que patrulha diariamente as ruas e por varias vezes volto a noite para casa e sinto-me totalmente segura.

 

Claro que também tem muita pobreza, as vezes passo por lá de carro com o host e e muito triste o que se vê. Pessoas a dormir na rua, estradas sujas, crianças a pedir dinheiro. Ai não me atreveria a andar a pé e mesmo muito perigoso ainda para mais se for alguém que não se assemelha em nada com eles, como por exemplo eu de pele e cabelo claro. Eles vivem em comunidades completamente fechadas, falam os seus próprios idiomas e tem muita gente que nunca saiu do Bronx nem sequer para ir em NY.

 

Mas estes sao os extremos do Bronx: o rico e o pobre.

 

Depois tem o que se pode chamar de meio termo. Eu costumo passear bastante no centro do Bronx, embora seja seguro a população e quase toda da América do Sul e muito raramente se vê alguém de cor branca por la.  No inicio sempre que andava na rua ou entrava em alguma loja sentia todos a olhar para mim. Os homens aqui sao muito cara de pau, varias vezes sou abordada por homens que me querem conhecer ou simplesmente param e cumprimentam. Eu fico vermelha dos pés a cabeça e acelero logo o passo.

 

O ginásioonde ando fica também na mesma área e acho que 99% fala espanhol entre eles. Mas quando falam inglês e perfeito.

Aqui também sou uma ave rara e isso fez com que nos primeiros dia pensasse duas vezes antes de ir porque me sentia um pouco deslocada. Os homens babam para cima de nos e alguns mulheres olham um pouco de lado.  Eles ate param o que estão a fazer para olhar.

Mas tento deixar de lado a vergonha e vou quase todos os dias porque me faz sentir bem, nao vou deixar de fazer as coisas que gosto. As vezes acaba por ser engraçado porque falam em espanhol e eu ate percebo um pouco lol.

 

A opinião que eu tenho dos homens daqui e que quando querem alguma coisa não estão com meias conversas. E a historia que demoram para avançar não e bem assim ( pelo menos pelo conhecimento que tenho). Conheço algumas meninas que após alguns minutos ( talvez segundos) de conversa já estão num canto agarradas como se não houvesse amanha e no dia seguinte nem sequer o nome se lembram. E muito engraçado assistir a estas situações com as minhas amigas.

 

Ha umas semanas atras estava na rua em frente a minha casa a espera das minhas amigas que me vinham pegar para ir almoçar e para um carro do outro lado da rua e sai de la de dentro um rapaz que devia ter mais ou menos a minha idade.

 

 

 Ele: Are you lost? 

 Eu: No, I live right here.  

 Ele: You so beautiful to stay here alone that I though you may be lost.  

 Eu: (contando as pedrinhas da rua, vermelha que nem um tomate)

 Ele: I live right up the street and I never saw you. Are you new here? 

 Eu: Yes, I arrived two weeks ago.  

 Ele: Oh really? So we have to go out, we are in NY we have to have fun. 

 Eu: I don't think so. 

 Ele: Can I have your cell number? 

 Eu: No!!

 Ele: Oh come on. Oh by the way I'm ... ( nao consegui entender o nome)  and you are...? 

 Eu: Diana

 Ele : Nice to meet you Diana. Are you sure you don't want give your cell number? 

 Eu: Yes 

 Ele: Oh ok, so I see you around here. 

 

Foi a conversa mais estranha que tive.  Eles aqui não perdem mesmo tempo. Depois de toda aquela conversa do have fun e mais não sei o que e que se apresenta. 

 

Isto tudo para dizer que a experiência que eu tenho com os homens daqui não e muito positiva. Eu sei que não devo colocar todos no mesmo saco, mas para agora a ideia que eu tenho e que eles são muito cara de pau e se virem que não somos de ca então ai ainda piora. Segundo o meu host os homens nao resistem ao  accent de quem e de fora tem.  Mas a conta disso já dei muitas gargalhadas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Diana às 16:31
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

.links